terça-feira, 12 de abril de 2016

Em nome dos que construíram Brasília: Retirada do muro JÁ!

(foto: Fernando Bezerra)

O Brasil tem 26 estados mais o Distrito Federal. Brasília foi, é e será o esforço da inteligência do navegar do homem brasileiros mais simples. No entanto, o caminhar na edificação do esforço coletivo para se tornar uma capital construída em três anos e meio, traz em si, todo o valor que congrega a formação da nação brasileira de ocupação desse território de espaço vazio.

Os mudancistas entenderam todo o projeto da cidadania brasileira da convocação motivante do ex. presidente JK, da sua visão politica do processo de cidadania. Era reconhecido como tocador de obra. A sua presença nas madrugadas dos canteiros de obras, conversando com os operários, selava uma aliança do setor laboral, patronal e também o setor publico do governo, que era representado pela Novacap.

Os brasileiros contribuíram com os impostos para manter a obra em dia, cumprindo o compromissos do governo com o setor privado. Tornando-se a mais espetacular aventura do fazer, do edificar, do trabalhar no esforço comum da brasilidade.

2016, o estado brasileiro violou os direitos civis e humanos. Bertolt Brecht falava que o analfabeto politico é o ser mais perigoso, sendo homem ou mulher.

“O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.”(Bertolt Brecht)

Brasília capital da esperança do plano no alto, ou seja, planalto em uma visão indelével da interação do Brasil e das Américas. Hoje! Agora! Nesse instante, há uma violação e degradação dos poderes da republica, contra os símbolos de integração de Oscar Niemeyer.

A rodoviária representa o homem deitado. O Congresso Nacional através dos plenário da Câmara e do Senado representa o oito, o simbolo universal da matemática. As duas torres do Congresso de 28 andares, representa a funcionalidade administrativa da Câmara e do Senado, simbolo do homem em pé.  

Os mudancistas e os brasileiros estão chocados com o muro que liga rodoviária e a Esplanada do Ministérios. Dividindo os brasileiros entre “bons e maus” pela conveniência politica na votação contra e a favor do impeachment , até o próximo domingo (16/04/2016). O estado brasileiro e o governo perderam a capacidade de gestão dos entes administrativos. O muro que divide pessoas da mesma pátria sobre conveniência politica é um terrorismo violentador da vida e da dignidade humana. Os mudancistas pedem a eliminação do muro já!.

6 comentários:

  1. Waldimiro de Souza12 de abril de 2016 21:54

    A geração que construiu Brasília era dedicada, com amor a pátria, ao Brasil e aos seus habitantes. Tinham uma visão da vida e da convivência em paz, alem disso acreditavam que a força do trabalho no dia-a-dia trazia uma possibilidade dos brasileiros conquistarem o bem estar geral para todos.

    ResponderExcluir
  2. Eliecim Figueiredo Souza13 de abril de 2016 09:24

    Este momento político em passa o Brasil vai norteando as ações da segurança nas capitais brasileiras. O antagonismo dos participantes e as ideologias de cada seguimento se evidenciam no comportamento do indivíduo nas manifestações: Desde os encapuzados e muitos que vão as manifestações depredar e causar danos ao bem público e ao privado. O que acredito que a segurança está preocupada em evitar o confronto. Entretanto, admito que não seria necessário a divisão por "muros" esta beira atitude o exagero.

    ResponderExcluir
  3. O Brasil está passando por um momento histórico de grande importância, social, econômica e política!
    Esse é o momento em que o povo, de fato e de direito, deve mostrar seu poder de decisão.
    Nós somos o povo! Nós somos a força da Nação Brasileira! Porém, não sabemos nosso poder! Isso é muito triste e arrasador.
    Está na hora do Gigante acordar de vez e lutar por mudanças reais e significativas para mudarmos toda essa bandidagem que como sangue-sugas estão tirando toda saúde da Nação!
    Esse muro na ESPLANADA é realmente o estopim da falta de compromisso com os brasileiros e com a ética governamental do nosso tão idolatrado País!

    Vamos nos movimentar! Chega de analfabetos políticos que são realmente, os piores analfabetos que existem.

    Acordemos, cidadãos brasileiros do meu Brasil varonil!

    Obrigada
    Nelídia Lima Viana

    ResponderExcluir
  4. A MÍDIA BRASILEIRA ESCONDE SUA POSIÇÃO POLÍTICA.
    MENTE PARA O LEITOR DIZENDO QUE É INDEPENDENTE
    Por Ana Cláudia Barros – TERRA
    Quinta, 22 de abril de 2010, 08h11
    Considerada mito sob os olhares mais críticos, a imparcialidade nos meios de comunicação sempre foi objeto de discussões infindáveis, sobretudo, do lado de dentro dos muros acadêmicos. Em tempos de corrida eleitoral, a questão, polêmica por excelência, volta a monopolizar os debates, na maioria das vezes, inflamados pelas paixões partidárias. Estaria a grande imprensa se portando de maneira equilibrada em relação aos candidatos, principalmente, no que diz respeito aos postulantes à cobiçada vaga de “comandante-mor” da nação? Na análise do sociólogo e jornalista Laurindo Leal Filho, professor da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (USP), a resposta é não.
    “A diferença entre quase todos os meios de comunicação do Brasil e os do exterior é que, no exterior, eles assumem, publicamente, o candidato ou o partido que estão apoiando”, afirma. Categórico, ele diz que a mídia brasileira esconde sua posição política.”É praticamente impossível a isenção total”, dispara.
    Leal defende que a mesma postura adotada por outros países seja incorporada pelos veículos impressos daqui, para evitar que gatos e lebres sejam colocados em um balaio comum. “É o caminho mais honesto. Do contrário, você acaba enganando o leitor com a suposta imparcialidade que, na verdade, não existe.”
    Terra Magazine – Como o senhor avalia a atual cobertura eleitoral feita pela mídia? Na sua opinião, os candidatos são retratados com equilíbrio?
    Laurindo Leal Filho – Não. A mídia, de uma maneira geral, não só no Brasil, mas em todos os países mais desenvolvidos, sempre assume uma posição, principalmente, nos pleitos majoritários, como é o caso de uma eleição para presidente da República. É praticamente impossível a isenção total. Os meios de comunicação, na maioria dos países, não têm nenhuma preocupação com isso. A diferença entre quase todos os meios de comunicação do Brasil e os do exterior é que, no exterior, eles assumem, publicamente, o candidato ou o partido que estão apoiando. Isso não quer dizer que vão fazer uma cobertura distorcida do pleito. Eles não escondem que têm preferência por esse ou aquele candidato. Isso, na França, na Inglaterra, é muito comum. Os jornais acompanham uma determinada tendência política, e o leitor sabe disso
    VEJAM ENTREVISTA COMPLETA NO:
    http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4393602-EI6578,00-A+midia+esconde+sua+posicao+politica+diz+especialista.html

    ResponderExcluir
  5. Brasília Foi constringida pelo sonho de Don Bosco entre o paralelo 1320, haveria de ter fartura de pão e mel. O sentido de construir Brasília era a ocupação do espaço vazio especialmente a interação com a Amazônia e o centro oeste, que era desprotegida estrategicamente, em nome dos pioneiros que construirão Brasília, eu sou da 2° geração nascida aqui, entendemos que os jovens da minha geração não aceita esse muro que divide irmãos de um lado e de outro. Brasília e construída pelo simbolo da paz, como diz as palavras na bandeira, ordem e progresso. Peço os meus companheiro da minha geração, fazer uma campanha para a retirada do muro até amanhã, para dar dignidade a história brasileira e os nossos pais.

    ResponderExcluir
  6. O muro que precisa ser retirado de Brasília é o da hipocrisia.

    Um Governo que já começa com retrocesso: Não há mulheres compondo o Ministério, não há negros compondo o Ministério. O que esperar do governo de um partido que em 30 anos chegou ao poder não por voto, primeiro, pela morte do Presidente Tancredo, e necessitou de dois Impeachment para chegar novamente ao poder.
    Se o objetivo era tirar o PT do governo, isso já ocorreu, a Lava Jato já cumpriu seu papel. Agora, esvazia-se a Lava Jato, os investigados passam a compor o novo governo, e os menos desavisados, que desconhecem o que venha a ser problemas estruturais, acreditam que estaremos livres da corrupção.
    A vida não será melhor no futuro, a hipocrisia e a farsa estão presentes hoje. Sobe bolsa, desce o dólar - e o povo? Ah, o povo foi para às ruas contra a corrupção. Esta, por sua vez, não saiu do seu lugar, hospedada dentro do Congresso Nacional, expulsa de lá quem não lhe é subserviente.

    ResponderExcluir