quinta-feira, 26 de novembro de 2009

SEMINÁRIO IRÁ DEBATER A OBRA DO GEÓGRAFO MILTON SANTOS

O congresso nacional é a casa onde deságua todas as decisões da nação como expressão dos interesses e aperfeiçoamento da democracia. ‘’Que é a universalidade do poder, um homem um voto, onde todos se igualam na colocação do voto na urna’’. O blog onegronobrasil1980.blogspot.com interage na divulgação da programação do seminário MILTON SANTOS, promovido pela comissão de educação e cultura da câmara dos deputados.


A Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados realiza nesta terça-feira, dia 1º de dezembro, às 14 horas, no Plenário 10 do Anexo II da Casa, um Seminário para debater a obra do geógrafo Milton Santos. A autora do requerimento é a Deputada Lídice da Mata (PSB/BA), com o apoio e a subscrição das Deputadas Maria do Rosário (PT/RS) e Alice Portugal (PcdoB/BA) e dos Deputados Emiliano José (PT/BA) e Ruy Pauletti (PSDB/RS).

Eis a programação do Seminário

Expositores e temas:

1 - Professor Aldo Dantas - UFRN

Milton Santos - Teoria Geográfica, Globalização e Terceiro Mundo

2 - Professor Fernando Conceição - UFBA

Milton Santos - Negro e Intelectual

3 - Professora Amália Inêz Geraiges de Lemos - USP

A Obra Revolucionária de Milton Santos

4 - Professor Edilson Nabarro - UFRGS

Milton Santos e a Negritude.

Perfil:

Apesar de graduado em Direito, Milton Santos é considerado o mais importante geógrafo brasileiro, reconhecimento este que se estende às suas qualidades de intelectual que vão além das fronteiras nacionais.

Natural do município baiano de Brotas de Macaúbas, Milton Santos, aos 13 anos já dava aulas de matemática no ginásio em que estudava, o Instituto Baiano de Ensino. Aos 15, passou a lecionar geografia. Ingressou na faculdade de Direito e atuou no movimento estudantil, chegando a ser eleito vice-presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

Em 1948, formou-se pela Universidade Federal da Bahia, mas não deixou de se interessar pela Geografia, tanto que fez concurso para professor catedrático no Colégio Municipal de Ilhéus com o objetivo de lecionar esta disciplina.

Nesta cidade dedicou-se à atividade jornalística, estreitando sua amizade com políticos de esquerda. Retornou para Salvador e tornou-se professor na Faculdade Católica de Filosofia e foi editorialista do "A Tarde", onde publicou diversos artigos de geografia. Em 1958, concluiu doutorado (com a tese "O Centro da Cidade de Salvador") na Universidade Estrasburgo (França).

Tendo viajado pela Europa e pela África, publicou em 1960 o estudo "Mariana em Preto e Branco". Defendeu com brilhantismo a tese "Os Estudos Regionais e oFuturo da Geografia" na Universidade Federal da Bahia, da qual foi um dos fundadores do Laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais.

Com o golpe militar de 1964, Milton Santos foi preso e depois exilado. Como professor convidado lecionou durante três anos na Universidade de Toulouse (França). Na década de 1970 estudou e trabalhou em universidades no Peru, na Venezuela e nos EUA, onde foi pesquisador no Massachusetts of Technology.

Retornou ao Brasil em 1977, trazendo consigo a obra "Por uma Geografia Nova". Anos depois galga o posto de professor titular da Universidade de São Paulo (USP). Recebeu, em 1994, o Prêmio Vautrim Lud, considerado "o Nobel da geografia". Foi consultor da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Organização dos Estados Americanos(OEA).

Milton Santos acrescentou importantes discussões na geografia, como a retomada da leitura de autores clássicos, além de ter sido um dos expoentes do movimento de renovação crítica da disciplina numa perspectiva holística.

Debater e estudar a obra deste que é um dos mais importantes intelectuais do Brasil, homem que não só superou preconceitos de cor e de classe social, mas que também foi pioneiro na análise crítica da globalização e suas conseqüências desiguais para grande parcela da população mundial, é um dever da Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados que, com essa iniciativa, visa resgatar e difundir uma obra tão importante e grandiosa.

6 comentários:

  1. Grato pela postagem desta informação como comentário em postagem em meu blog.

    ABraço.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Meu nome é Íris Priscilla sou uma estudante de Arquitetura e com isso venho dar minha opnição sobre o nosso grande geógrafo Milton Santos, pois ele nos mostra com a sua expanssão, e genialidade o que outros grandes nome não relevou.
    Com isso ele deixo um legado para a Arquitetura, Medicina, Filosofia, sociologia engenharia e urbanismo e como sim à nossa Politica (a verdadeira forma de fazer política).
    A todos a minha admiração pelas suas obras. O Trabalho do geógrafo no terceiro mundo.

    Havendo mas informação sobre, quero mas...
    deixo meu email ips2303@hotmail.com

    Brasília-DF

    ResponderExcluir
  3. JOÃO PAULO BATISTA, ESTUDANTE DE DIREITO DA FACULDADE PROMOVE DE BELO HORIZONTE-MG. UM AlÔ PARA O CORPO DOCENTE E A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL!
    EM SENDO BAIANO, CONVIVI OUVINDO OS MEUS AVÓS E OS MEUS PAIS FALANDO DE CASTRO ALVES, RUI BARBOSA,COMO ÍCONES DA BAHIA,HOJE ESTOU APRECIANDO TAMBÉM ESSA BELÍSSIMA OBRA E ESSE LEGADO QUE O DOUTOR , PROFESSOR, CIENTISTA, PESQUISADOR, GEOGRÁFO,E ADVOGADO, ENFIM ESSE VIRTUOSO SER HUMANO MILTON SANTOS, QUE DELEGOU A NOSSA JUVENTUDE BRASILEIRA UM NOVO CONCEITO DE CIÊNCIA POLÍTICA, OS PARTIDOS POLÍTICOS, AS ENTIDADES E INSTITUIÇÕES QUE ASSESSORA O ESTADO BRASILEIRO, QUE BEBAM DESTA FONTE DA OBRA DE MILTON SANTOS!
    SE NÓS TIVERMOS A PACIÊNCIA DE COMPREENDER E ENTENDER ESSE TRABALHO DE DEDICAÇÃO QUE RESUME NO PROJETO LABORATÓRIO DE GEOFORMOLOGIA E ESTUDOS REGIONAIS,NUMA PROXIMIDADE FUTURA, TEREMOS HOMENS E MULHERES MAIS BEM PREPARADOS PARA ASSUMIR FUNÇÕES E CARGOS DAS GESTÕES PÚBLICAS E PRIVADAS, ONDE NÃO SE VERÁ MENINOS E MENINAS ABANDONADOS, PESSOAS ANALFABETAS E ESSA INFINIDADE DE FAVELAS E MORADORES DE ALAGADOS E PALAFITAS, QUE É UM VERDADEIRO ATENTADO À VIDA E UM DESRESPEITO AOS DIREITOS FUNDAMENTAIS HUMANOS,(INVESTIMENTOS EM INFRA-ESTRUTURA). É UMA CULTURA PEVERSA DE UMA ELITE CONSERVADORA ARCAICA (HAJA VISTA A CULTURA DE CORRUPÇÃO)QUE VEM DESDE O IMPÉRIO ATÉ HOJE.
    PROVA INCONTESTO!OS ATOS DE GOVERNO DA HISTÓRIA DOS MUNICÍPIOS, DOS ESTADOS E DA UNIÃO.
    EU CREIO NESSE BRASIL VENCEDOR! QUE NÓS APROFUNDEMOS NA LEITURA DE MILTON SANTOS E OUTROS AUTORES, PARA UMA MELHOR PREPARAÇÃO DOS NOSSOS PROFESSORES EM SALA DE AULA!

    ResponderExcluir
  4. DIGO, EU, JOÃO PAULO BATISTA SOU DE SANTA RITA DE CÁSSIA-BA, QUERO INTERAGIR COM ESSA REDE DE PESSOAS DEDICADAS EM ESPECIAL SOBRE A OBRA DE MILTON SANTOS.

    E-MAILS: JPPRODU@YAHOO.COM.BR
    JPPRODU@GMAIL.COM

    ResponderExcluir
  5. Eu, Fábio Medeiros, Eleitor Brasileiro de Brasília-DF, a nossa contribuição à população Brasileira para uma análise do nosso dia-a-dia:

    CRUZ DE SOUZA,negro, um dos maiores poetas durante o Brasil Império, A sua obra deveria ser estudada em sala de aula nas escolas brasileiras, JOSÉ DO PATROCÍNIO,negro,jornalista e abolicionista foi desterrado, uma espécie de exílio político naquela época, por ser defensor da libertação dos escravos, isso já no Brasil Republicano, o que se quer dizer com isso é que todas as contribuições da Conquista da Liberdades Democráticas, a partir do exemplo de Zumbi, a primeira República Livre das Américas, e asegunda do Haiti.
    Todavia a proposta dos negros que foram escravizados e comercializados sobre uma nova visão de Democracia com respeito fundamental aos Direitos Humanos e Civis é a Carta de Uberaba em Minas Gerais em setembro de 1979 e a Proclamação de Ribeirão Preto de novembro de 1979.

    ResponderExcluir
  6. Fernando White Noise17 de maio de 2011 19:15

    Nos os estudantes brasileiros em especisl da unb esquecemos porque era conveniente esquecer. por que falar de tempo? porque nao ha tempo.miltom na magistral obra declara que "as pessoas capitulam pelo conforto que e simpatico".Toda via os nossos queridos professores das varias universidades federais e privadas insistem em ignorar. sera que existe uma pratica racista no meio academico ou um verdadeiro apartheid.eu como estudante de mausica aprendi que oconhecimento e universal "de amor a vida e vivificala". F.white noise.

    ResponderExcluir