terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Eco Rio+20

        As Nações Unidas (ONU) na sua sistemática política, no processo do aprendizado do território do espaço, dentro do espaço como visão global, das condições climáticas, na compreenção da ciência, da técnica, da gestão e do uso diário da intuição e informação da pesquisa, chegando a educação no conceito de aplicação da cultura. Nessas indagações reunem-se executivos, ou governos, sociedade civil e as mega empresas transnacionais. Entre os governos se destaca a ação parlamentar no processo político democrático que recebe por delegação, através do voto, a representatividade de cada país.

     Há de se indagar: o mundo acadêmico mundial interage numa linguagem herudita sofisticada, mas tem pouca prática na operacionalidade da gestão. Se perde muito tempo com coisa nenhuma. Milton Santos, geógrafo, professor, na sua vasta obra deixa uma proposta no seu projeto de laboratiorio de geomorfologia de estudos regionais que é a idiossincrasia do pensamento humano dentro da análise da epistemologia. Esse conjunto de trabalho nas pesquisas é uma contribuição a inteligência brasileira, tanto para o mundo acadêmico, para o Estado republicano e o poder civil, representado pelo executivo, judiciário e legislativo. Temos um país pouco explorado na parte ambiental, com a maior reserva mundial.

         A TV senado, noticiou que os anos 2009, 2010 e 2011 absorveram a mão de obra dos técnicos expecializados em várias áreas da ciência e tecnologia, 133 mil de mão de obra estrangeira. Os gestores brasileiros muito alegres na justificação desses fatos e dizendo que as escolas brasileiras e as universidades  preparam apenas 1/3 da sua juventude nessas profissões que o país necessita. Por isso a invasão da mão de obra internacional. Perguntamos se isso não é uma violação do direitos sociais, da falta de educação de qualidade. Nós exportamos em nossa maioria mão de obra não qualificada, importando as qualificadas. Enquanto isso há brasileiros desempregados apesar de haver demanda para emprego, justamente pela falta de qualificação.

     Brasil, após a lei áurea, como disse o presidente Juscelino Kubitschek numa indagação de seu eleitor sobre seu governo, se ele havia sido racista contra indios e negros por não terem feito parte do seu governo: "Não foi um erro meu, nem do meu governo, nem dos meus ministros, nem dos meus assessores. Mas sim dos nossos antepassados que não nos informaram que brasileiros nos somos." Acresecentou "Nenhuma mulher, nenhum homem, pode tomar decisões específicas ou globais se não conhecer a si e o outro." Respondendo ao elelitor "faça alguma coisa para hombrear que eu te ajudarei." E repetiu a frase. O eleitor respondeu "O senhor é um homem cassado". Juscelino respondeu "Sou um ex-chefe de Estado e devo ter influência em algum lugar, faça alguma coisa para hombrear que eu ajudarei". Meses depois ele faleceu e não se pode realizar a contribuição de JK.

       O país tem a responsabilidade política de sediar o evento Eco Rio+20 em junho desse ano, com a possibilidade de levar sugestões para todos os paises da sua experiência, do seu potencial físico e geopolítico. A sua população através dos seus gestores públicos e privados terá que se esforçar com toda a capacidade visão e inteligencia, como dizia Darcy Ribeiro "Esse país é possivel, o seu povo é um povo maravilhoso, a sua pluralidade étnica lhe permite ser uma nação vitoriosa. O poder político terá de estar de mão dada com sua população, como diz o chavão político na hora da repressão o povo unido jamais será vencido." Se tivermos paciência, paz, harmonia de entendermos a capacidade individual e coletiva da humanidade, juntos salvaremos o planeta. Essa contribuição desse blog!

25 comentários:

  1. A Eco Rio+20 só vem demonstrar o grande fracasso da humanidade em se relacionar com a natureza, tornando o mundo um lugar cada vez mais sem a presença dela. Protocolo de Kyoto e outras tentativas de reduzir os efeitos do homem sobre a natureza reforçam isso, pois continua prevalecendo o poder economico. Até quando? Espero que não seja tarde para os seres humanos quando tomarmos atitudes sérias para preservar o que nos mantém vivos

    ResponderExcluir
  2. ECO RIO+20 : Sem dúvida um evento de grande importância para a sociedade brasileira, uma vez que temos que conscientizar nosso povo do potencial das riquezas do solo brasileiro, dos rios e nosso clima tropical, enfim das nossas matas, em especial à floresta amazônica que é considerada o pulmão do mundo! Precisamos sim dar ênfase e mais rigor no Sistema Educacional, preparando técnicos e especialistas para que fiquem aqui e façam esse Brasil alavancar !
    A EDUCAÇÃO, é o caminho para o nosso desenvolvimento !

    ResponderExcluir
  3. Caro
    Sr. Wladimiro

    Lí o seu texto Eco Rio+20 duas vezes, uma excelente reflexão para o País "em que se plantando tudo dá", tive oportunidade de ouvir falar muito de Milton Santos através do abnegado Professor de Geografia da UFBA, Professor Climaco, tive outros momentos de estudos e apreciação na faculdade,na especialização em educação de jovens e adultos, acho que o nosso Pais tem potencial para o Rio+20 e tantas outras coisas mais,a ex. da copa. O que falta é compromisso politico e social de alguns governantes,tratarem dos seus Governos sem tanta ganância pessoal, sem riquezas ilicitas ou mau distribuidas, se o Sr. partir para a pesquisa geografica/social, principalmente nas comunidades perifericas, verá muitas capacidades perdidas, virando absoletas, partindo da minha própria pessoa, sem nenhum orgulho ou vaidade, poderia lhe apontar inumeras outras.
    No carnaval lanchava com uma amiga em um restaurante chinês, que já lanchamos em dias comuns, o preço dobrou, e todos nós cidadões e cidadães comuns, batemos palmas, elogiamos os estrangeiros, nada contra, mas as portas se abrem.
    Hoje, somos graduados, partimos para segunda, quiçá terceira graduação,especialização quando encontramos gratuito, ansiamos por mestrado etc.
    Já tive oportunidade de encontrar pessoas altamente qualificadas e dizerem que a qualificação era empecilho para o trabalho, e, é verdade,observe os concursos públicos.
    Existem maõs de obra perdidas a espera de uma oportunidade sim.
    Quanto aos estudos e pesquisa do meio ambiente, nosso e do mundo, acho que o principio parte por uma educação ambiental desde a escola, acadêmia, e na familia, Politicas públicas efetivadas.
    A nossa Terra Bahia,é um belo exemplo quando viajamos para Sul, o que vemos? muitas terras improdutivas, a desordenação de terras continua,e as nossas ricas marés, sendo mortas,invadidas por ricas empresas e pelos seus produtos tóxicos, a cultura milenar da pesca e da mariscagem sendo substituida pelo subemprego artesanal, pedreiro, faxineiras ou outros.
    O Sr. Cita Darcy Ribeiro, igualmente a Milton Santos, grande referência pela cultura popular, quando o Sr. no último paragráfo, solicita que devemos nos dar as mãos, povos e gestores públicos, peço desculpas, licença e a benção aos mais velhos. Mas como uma liderança atuante, participativa com contribuições ativa na minha comunidade,na minha cidade, na acadêmia, na minha vida socio-educativa, por razões diversas que por ética não convém relatar, lhe afirmo, acredito na união, nas causas sociais, mas estou muito reticente...
    Sucesso pela iniciativa
    Obrigado pelo convite
    Sandra Tereza (AMOFE)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sandra Tereza

      O Brasil precisa de muitas Sandras. O exemplo do professor de arquitetura e urbanismo que foi prefeito de Uberaba - MG, quando assumiu a prefeitura ele viu as necessidades dos mais pobres, que não eram entendidos secularmente. Precisava de uma gestão diferenciada, primeiramente resolveu fazer das terra improdutivas, produtivas. Motivou os “donos da terra” a fazer parceria com os que não tinham terra, de modo geral veio outra necessidade premente, os moradores das áreas rurais não tinham condições de ir à escola porque não havia transporte e a maioria era de comunidades negras. Viu-se incentivado a criar um transporte escolar pela primeira vez no País. Foi uma inovação na educação brasileira. Daí vem carta de Uberaba que é um programa de governo dos afrodescendentes junto com a proclamação de Ribeirão Preto - SP, sob a orientação de Milton Santos e outros, que é à base deste blog.
      Obrigado pelo excelente texto.

      Excluir
  4. Penso ser de essencial importância que se discuta assuntos como este. A ganância dos nossos grandes capitalistas parece ter nos inibido de pensar na sustentabilidade do planeta. O evento é, sem sombra de dúvidas, um dos grandes acontecimentos e a oportunidade de repensarmos todo o nosso modelo de produção e sustentabilidade.

    ResponderExcluir
  5. Izabel Oliveira Souza, estudante de Engenharia Florestal-Unb.24 de fevereiro de 2012 21:31

    Estava assistindo uma sinfônica, durante a apresentação o maestro se referiu: "O universo é constituído de som e cores, basta se levantar de manhã ouvir os cantos dos pássaros, os sussurros do vento que sopram como melodia para vocês perceberem que isto é a nossa apresentação pela sinfônica". O maestro e Paulo soam na mesma sinfonia. Apostolo Paulo, Coríntios 13 versículos 1 e 2: "Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse caridade, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e ainda que tivesse toda a fé de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse caridade, nada seria". Rio+20 é um grande conclave de países e instituições governamentais religiosas e da sociedade civil, todos caminhando num caminho que ainda não encontraram definição na sustentabilidade da vida no planeta, conforme o conceito de Paulo em conjunto com o maestro. Enchermo-nos de sabedoria para obviar na totalidade da compreensão e definição de governos, empresas, religião e toda a contribuição efetiva de homens e mulheres. Pedimos a colaboração de toda a população brasileira e dos países que compõem o planeta. Como estudante estou solidária com o país que sedia o evento Rio+20 e as nações unidas que o patrocina, me sinto profundamente feliz que a beleza do Rio de Janeiro consegue congregar e interagir governos, autoridades, sociedades civis e voluntários de todo o planeta.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A Rio + 20 chega em um momento muito difícil para a humanidade. Desde de 1972, em Estocolmo, quando primeiro se começou a discutir a questão ambiental, no âmbito das Nações Unidas, muito tem-se conseguido pela conservação e preservação do meio ambiente. Nessa cavalgada tem-se incorporado muito dos valores de solidariedade e humanidade que caracterizam a motivação ambiental. Porém, na mesma toada, outros valores relacionados à economia e ao mercado tem -se introjetado na discussão ambiental. Alguns apontam até mesmo que a própria sustentabilidade do debate ambiental gira em torno dessa conexão com a a economia de mercado. Ao passo que algumas soluções derivadas desse relacionamento são bastante notórias e eficazes, é importante que outras formas organização e valores humanos possam ter espaço na discussão ambiental. As práticas culturais tradicionais, não-ocidentais, não-eurocêntricas e os modelos de desenvolvimento que são constituídos a partir delas devem ter lugar igualmente pronunciado para a definição do que é que se quer e entende por sustentabilidade, ecologia, serviços ambientais, e economia criativa e tantos outros conceitos que são criados por poucos para poucos. É curioso que são esses mesmo Estados, nações, e populações excluídas do processo de elaboração conceitual que estão fora do processo decisório, e dos ganhos e obrigações decorrentes dessa discussão. A Rio+20 se constitui, portanto, em uma oportunidade já tardia pra que possamos ter uma justiça ambiental verdadeira. Mas, a julgar pelos direcionamentos apontados no relatório que orientará as discussões do grande fórum, ainda teremos que esperar mais algum tempo.

      Excluir
  6. O que esperamos da Eco Rio+20? Surpresa, muita surpresa, de causar espanto, em ver o Congresso brasileiro estar a serviço desse jogo das contradições. É um uso perverso do conceito do "contraditório". Estou com a opinião de Milton Santos, é uma linguagem bem estudada da perversidade para manter 80% da população brasileira na escravidão. Porque falei de surpresa e espanto? Vendo e ouvindo na imprensa gestores públicos, deputados e senadores, até ministros, percebo a falta de sensibilidade em compreender a realidade do povo brasileiro. Quando a mídia noticiou as palavras dos que conduzem a política brasileira, ao mesmo tempo exportando mão de obra não qualificada e importando profissionais para várias atividades no Brasil, argumentando que não existe essa mesma mão de obra aqui. Isso é uma estratégia em um processo de dominação, comandada pelo Banco Mundial, a serviço do capital depredador violador dos direitos humanos e civis no mundo. Enquanto isso, milhões passam fome, não tem água. E peço licença aos meus mais velhos na imprensa, na política, para ter mais cuidado no interesse da população brasileira.
    Paula Balduino, doutoranda em antropologia pela UnB.

    ResponderExcluir
  7. Gabinete do Deputado Domingos Dutra4 de março de 2012 15:34

    CNJ fará diligência na Vila Vinhais Velho
    Os requerimentos entregues ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) solicitando diligência na Vila Vinhais Velho, em São Luís (MA), foi reforçado pelo Primeiro-Vice Presidente da Comissão de Direitos Humanos, Deputado Domingos Dutra (PT/MA) ao Presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ministro Cezar Peluso, na última quarta-feira, dia 15. Também estiveram presente no ato os deputados federais Padre Ton (PT/RO), Amauri Teixeira (PT/BA) e Erika Kokay (PT/DF).
    No intervalo da votação da Lei da Ficha Limpa, o Ministro Peluso reservou um horário para ouvir o Deputado Domingos Dutra os outros parlamentares sobre dois temas de relevância ao parlamentar: os assassinatos nas comunidades indígenas no Brasil, em especial os índios Guarai-Kaiowá do Mato Grosso do Sul, vítimas da ação de latifundiários; e a grave situação envolvendo a Vila Vinhais Velho, comunidade centenária ameaçada de despejo pela Governadora do Estado, Roseana Sarney, para a construção da Via Expressa.
    “Reforcei ao Ministro a solicitação entregue ao CNJ para a realização de uma diligência à Vila Vinhais Velho pelo Comitê Executivo do Fórum de Assuntos Fundiários do Conselho, composto por juízes e desembargadores designados a acompanhar conflitos agrários no País”, relata Domingos Dutra.
    Para o Deputado Domingos Dutra, “a Governadora Roseana Sarney teima em colocar uma alça da Via Expressa justamente em cima do povoado Vinhais Velho. Esta alça se for construída do jeito que o governo quer irá simplesmente destruir parte do patrimônio do Brasil”, alertou o parlamentar ao destacar os artigos 20 e 216 da Constituição Brasileira os quais assegura que Vinhais Velho é patrimônio material e imaterial da Nação brasileira e não pode ser destruído.

    Além de representantes dos moradores, o documento protocolado no CNJ foi assinado por diversas entidades como: Cáritas Brasileira, entidade ligada à Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB); Sociedade Maranhense de Defesa dos Direitos Humanos (SMDDH); Ordem dos Advogados do Brasil Seccional do Maranhão (OAB-MA); Comissão 400 Anos da Vila Vinhais Velho; União por Moradia Popular; Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); Conselho Indigenista Missionário (CIMI), dentre outros.
    Vinhais Velho é um sítio arqueológico de 400 anos ocupado por remanescentes dos índios Tupimambás. A localidade abriga a Igreja de São João Batista, um Cemitério e um Porto de Embarque e Desembarque, construído em 1690. Há também fontes e reservas naturais, mangues, juçaras, ipês e outros.

    Também reforçam o documento entregue ao CNJ:
    Os deputados federais Waldir Maranhão (PP/MA), Simplicio Araújo (PPS) e Weverton Rocha (PDT); os deputados estaduais Bira do Pindaré (PT), Neto Evangelista(PSDB), Marcelo Tavares(PSB); Liziane Gama(PPS) e Rubens Junior(PCdoB); a professora e historiadora da UFMA Antônia Mota e o Professor e Vice–Presidente do Instituto Histórico e Geográfico do Maranhão, Leopoldo Vaz; a Advogada Nubia Dutra e o Advogado Fred Marx também contribuíram para a elaboração da petição enviada ao CNJ.

    Salis Chagas, Assessoria de Imprensa.

    ResponderExcluir
  8. Gabinete do Deputado Domingos Dutra4 de março de 2012 15:36

    Gabinete do Deputado Domingos Dutra
    Brasília: Câmara dos Deputados – Praça dos Três Poderes – Gabinete 806 – CEP: 70160-900
    Fone (61) 3215-5806/3806 Fax (61)3215-2806
    São Luís: Rua das Letras, Casa 04, Cohafuma. CEP: 65074-780
    Fone (98)3274-0467
    e-mail: dep.domingosdutra@camara.gov.br / site: www.depdomingosdutra.com.br
    Facebook: Domingos Dutra / Twitter: @dutra1313

    ResponderExcluir
  9. Eilene formada na PUC Minas9 de março de 2012 09:15

    Eco Rio +20, Lao Te Se na sua reflexão de pensador dizia que o príncipe tem que ser um sábio, se não for sábio não é o príncipe, logo não pode governar. A obra de Milton Santos está presente no seu programa de projeto do laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais, interagindo, em especial com nós jovens, nesta comunicação das variedades do conhecimento. Nós, a população do planeta, temos que compreender, entender nas nossas atividades que o planeta deve ser cuidado na sua sustentabilidade, porque o planeta é vida. Entre a vida e a vida, homens e mulheres é que pensam e tem reflexão, pesquisam, laboram nos variados tipos de conhecimento para buscar o sustento, o lazer na inter-relação da convivência e nas diferenças de compreensão.
    Quando se fala de gestor, se entende que sejam pessoas pacientes, de muita paz, capaz de entender a epistemologia conforme a Tese de honoris causa que Milton recebeu na Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

    ResponderExcluir
  10. Eilene Guimarães9 de março de 2012 10:04

    A Eco Rio+20, evento no qual dirigentes globais buscam ações sustentáveis, deve ser para cada um de nós momento de reflexão das nos ações no dia-a-dia. Esta reflexão deve identificar formas na qual individualmente podemos contribuir para a busca ações sustentáveis, em especial na educação dos filhos.
    No dia 08 deste mês de março, comemoramos o dia da Mulher . Nós mulheres símbolo da força, trabalho, e intuição aguçada devemos ensinar e mostrar para os nossos filhos que em todas as ações podemos escolher as mais sustentáveis e menos agressivas para meio ambiente.
    Sustentabilidade é responsabilidade de todos.

    ResponderExcluir
  11. RIO+20 / Passados duas décadas da Eco92, a meu ver muita coisa mudou, refiro-me aqui à conscientização de expressiva parcela da humanidade no que se refere à sustentabilidade do nosso planeta. Hoje podemos notar grupos de ativistas na defesa do meio ambiente, do consumo responsável, dos direitos humanos, e muitas outras ações visando o conviveu harmônico entre os seres humanos e entre estes e as outras formas de vida no planeta Terra.
    Pessoalmente acredito que a educação, mesmo que seja um processo lento diante da urgência na mudança de hábitos e comportamentos humanos, é o caminho mais sólido na formação de novas consciências.
    Como formadores de opinião devemos intensificar a nossa participação na RIO+20, pois instrumentos para nos manifestarmos não faltam, como exemplo este Blog editado por Waldimiro de Souza companheiro de muitas jornadas, notadamente na defesa dos Direitos Humanos.

    ResponderExcluir
  12. Carlos Moura Diretor do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral13 de março de 2012 23:14

    Ficha Limpa e Soberania Popular

    Em tempo de difíceis manifestações de apreço aos valores éticos e morais, especialmente na esfera política, acabamos de assistir à plena validade da Lei Complementar nº 135/10, denominada Ficha Limpa.
    Proposta nascida da sociedade civil, conforme o prescrito na Constituição Federal, uma lei aprovada no Congresso Nacional, sancionada e chancelada pelo Supremo Tribunal Federal. Trata-se de episódio que instiga-nos a reflexões: a soberania popular impõe-se quando a sociedade organizada intervém na sistemática do poder. Os instrumentos legais do exercício da cidadania, se utilizados com soberania, produzem benéficos resultados, no momento em que a tradicional democracia representativa claudica. Tornam-se necessários gestos capazes de legitimarem a democracia direta, mediante a adoção de mecanismos de poder forjados no seio da população.
    O movimento de combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), integrado por mais de 40 entidades da sociedade civil – dentre as quais a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), ao decidir prestar um serviço ao país, no sentido do aprimoramento do processo eleitoral, procurou uma temática palatável a todos, ou seja, impedir candidaturas de brasileiros com vida pregressa em descompasso com as boas normas de convivência comunitária e em desalinho com os postulados legais. Entende-se que o postulante a quaisquer cargos, mediante sufrágio, há de exibir a sua ficha limpa. E mais: se limpa quanto às prerrogativas emanadas das leis, ficha limpa, também, no que se refere à prática de bem servir à comunidade. Ao pleitear votos, o candidato só é legítimo se tem provada sua vocação para o bem comum: trabalhos em prol da sociedade.

    ResponderExcluir
  13. Carlos Moura Diretor do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral13 de março de 2012 23:15

    continuação...

    A Campanha da Ficha Limpa tornou possível aos que não possuem intimidade com o direito conhecerem e entenderem expressões, até então, cativas dos saberes de quem exerce funções atinentes aos temas jurídicos: presunção de inocência, retroatividade das leis, elegibilidade e inelegibilidade, plebiscito, referendo, iniciativa e soberania popular, prescrição, democracia representativa, direito adquirido, segurança jurídica, além de outras. A campanha possibilitou à sociedade conhecer a Justiça Eleitoral, sua composição, funcionamento e prerrogativas. Também concorreu para que houvesse o início de uma aproximação entre o Judiciário e a população, esta em busca de compreender os meandros judicantes e à espera – no caso da Ficha Limpa – de um despacho favorável.
    A Lei Complementar nº 135/10 tem, ainda, o pendor de contribuir para a educação política de todos. A sociedade participou do processo do início ao fim atenta às tramitações no Congresso e aos julgamentos na esfera judicial. Para tanto, destaca-se o apoio da imprensa em geral, ontem e sempre.
    Democracia e participação popular são anéis de uma mesma corrente. Há 11 anos entrou em vigor a Lei 9.840/99, testada nos pleitos anteriores e produzindo efeitos benéficos. Inúmeros candidatos tiveram o seu registro anulado em vista de sentença judicial e perderam mandatos.
    As Leis 9840/99 e 135/10 – frutos de iniciativa popular – causam verdadeira resolução no arcabouço jurídico eleitoral e levam o eleitor a escolher com rigor o ente que pleiteia o sagrado voto.
    O processo de educação política implica, ainda, em o eleitor tornar-se fiscal das atividades do eleito no legislativo ou no executivo.
    Cabe ao eleitor uma atitude vigilante quanto às ações daquele que recebeu uma procuração para representá-lo. Não basta observar o desempenho mas propor atividades e soluções para eventuais problemas que possam existir em desfavor da sociedade.
    O movimento de Combate à Corrupção Eleitoral está ciente de que cumpriu com o seu papel e estuda outras medidas destinadas ao aprimoramento da democracia em benefício dos cidadãos.
    Espera-se uma reforma política ampla, que possa atingir os três poderes, na perspectiva de crescente valorização do desempenho de atividades públicas que sejam republicanas. O bom desenvolvimento econômico do Estado deve sempre pôr-se a serviço de todos os brasileiros, com ênfase nos mais empobrecidos e discriminados.
    (Correio Braziliense - 12 de março de 2012 - Coluna Opinião pág. 11)

    ResponderExcluir
  14. José Bezerra de Melo Filho - UFPI18 de março de 2012 14:53

    Nossa presidente, que a obra do nosso geografo Maior Dr. Milton possa servir com pressuposto maior e modelo para a ECO Rio + 20.

    O texto lido acima, o que pude observar é que o autor, embasado e fundamentado no conhecimento não só geográfico, e também filosófico, e padagôgico do Dr. Milton, vem questionar a fundamentação para uma nova ordem mundial. A humanidade hoje desemboca no novo sistema onde as razoes filosóficas e humanitárias preso poem conceitos e valores que farão com que as futuras gerações deverão ser possibilitadas de avançarem muito mais cientificamente, historicamente, economicamente, politicamente. O homem conteporâneo precisa reassumir posições de vanguarda avançar no nível do pensamento e procurar se fundamentar para que o novo mundo seja possível, necessitamos acabar com valores antigos, depreciativos. O bem o amor e a bondade deverão fazer parte de uma nova humanidade. Há necessidade de que nasçam novos políticos, homens que haverão de pensarem um novo mundo, um mundo novo. "humanidas, humanidas, humanidas" Sem novas consciências a humanidade periclita, sofre, caústica e até parece involuí, porem isso não se dá, o progresso da ciência, a mente de novos cientistas e novos homens que neste momento nasçam e renasçam novos políticos, que haverão de trazer para nós uma nova ordem de mundo e uma sociedade mais justa, mias humana, mias libertária e mais feliz. Chega de sofrer, nós precisamos galgar e que possamos avançar para um mundo de harmonia e paz, um mundo sem guerra, sem fome, sem prostitução tanto de mulheres como de homens, um mundo que será destinado a ser de felicidade e justiça.

    ResponderExcluir
  15. A carta deUberaba e o encontro de Riberão Preto e o pronunciamento do senador Itamar Franco 1980 mais a obra do professor e cientista Milton Santos e a base desse blog.Fica como sugestão para Eco Rio +20 q se da em junho desse ano no Rj sou favorável a proposta desse blog politicamente . sei q a presidente Dilma tem sensibilidade suficientemente de agregar essa proposta no seu governo.. Carlos Eduardo...(Estudante de publicidade)

    ResponderExcluir
  16. No Encontro da ECO RIO+20 teremos mais uma oportunidade de termos um fórum Mundial onde haverá espaço para externarmos muitos dos nossos problemas sociais, ambientais e da sustentabilidade.Que aqueles que tiverem voz e voto lutem pela paz das nações e de toda a Humanidade.(Fábio Medeiros, Radialista de Patos-PB.Brasil)

    ResponderExcluir
  17. Daniel Costa Carneiro formado na UnB, Brasília-DF, Brasil28 de março de 2012 22:05

    Qual o motivo de existiram terras degradadas e desertos? Quem são os causadores?
    Eis a pergunta que deixo ao conclave da Eco Rio+20.
    Diante a minha experiência como Engenheiro florestal e discípulo das práticas de observações trazidas por Ernest Gotsh e alguns companheiros da militância de trabalho pelo IPOEMA (Instituto de Permacultura: Organização, Ecovilas e Meio Ambiente), Engenharia Floresta e outros. Por terra degradada entende-se aquela que perdeu sua função original, ou seja, fertilidade, infiltração, biodiversidade e outros. Em primeiro plano o motivo de existirem terras degradadas e desertos devem-se à ações antrópicas em desconformidade aos princípios que regem a vida no planeta, como afirma o Geografo cientista Dr. Milton Santos em sua obra: "Cultura da perversidade". Em segundo plano, mais precisamente quanto aos desertos, também existem causas relacionadas aos eventos cíclicos naturais do próprio planeta, ex. alteração no eixo magnético e consequente alterações climáticas, entre outros.
    Como sita Ernst Gotsh em um de seus trabalhos: "Os princípios em que a vida se baseia são processos que levam do simples para o complexo, onde cada uma das milhares de espécies, a humana entre elas, tem uma função dentro de um conceito maior. A vida neste planeta é uma só, é um macroorganismo cujo metabolismo gira num balanço energético positivo, em processos que vão do simples para o complexo, na sintropia" (em Homem e Natureza, Cultura na Agricultura; A vida e sintropia pg. 5).

    ResponderExcluir
  18. Daniel Costa Carneiro formado na UnB, Brasília-DF, Brasill.28 de março de 2012 22:17

    Vide site com relatos e infortmações valiosas para esse evento RIO+20.
    Lí e gostei.
    http://www.ecoterrabrasil.com.br/home/index.php?pg=ecoentrevistas&tipo=temas&cd=1241

    ResponderExcluir
  19. Maria Auxiliadora da Silva31 de março de 2012 17:03

    Uma leitura de Milton Santos (1948-1964)

    Fabio Santos da Silva
    Maria Auxiliadora da Silva

    Resumo

    Este trabalho se propõe a discutir a obra de Milton Santos em sua primeira fase de produção intelectual. Os trabalhos analisados foram publicados entre 1948 e 1964, e são obras, em geral, pouco conhecidas do grande publico. 0 objetivo central e resgatar essa produção cientifica, analisando seus métodos e referencias conceituais, que se caracterizaram pela analise de cidades e regiões da Bahia. São estudos locais e regionais de caráter empírico, mas muitas vezes envolvendo intensa atividade de pesquisa de campo. No entanto, já nesse período, Milton Santos tinha escrito trabalhos de caráter teórico, formulando conceitos que posteriormente veio a desenvolver em obras mais recentes, num esforço para construir uma fundarnentação teórica para a Geografia, Entre as obras dessa primeira fase mais importantes estão os estudos sobre Salvador (0 Centro da Cidade do Salvador, 1959), sobre a região do Recôncavo (A Rede Urbana do Recôncavo, 1959) e sobre a região cacaueira da Bahia (A Zona do Cacau, 1955). Mesmo entre as obras do período estudado (1948- 1964), e possível perceber as mudanças no pensamento de Santos ainda dentro da década de 1950. De uma Geografia essencialmente empírica e fortemente influenciada pelo possibilíssimo francês, sua obra evoluiu com a renovação dos métodos de investigação, porém, ainda com influencia francesa de autores como Monbeig, Rochefort, George e Tricart, e passou a apresentar um sensível aperfeiçoamento conceitual.
    Palavras-chave: Milton Santos; obra; primeira fase.

    ResponderExcluir
  20. Tatiane Nunes Mendes6 de abril de 2012 12:24

    Eco Rio+20,lendo o comentario da professora Maria Auxiliadora,vem imbutido nessa pesiquisa sobre a obra de Milton,um despertar da politica de sustetabilidade.ou conhecimento na dedicaçao de homens e mulheres de entender e compreender q temos capacidade de prover em forma de trabalho um progeto de humanidade.De paz,harmonia e amor.Tatiane Nunes Mendes

    ResponderExcluir
  21. Tayrine Reis de Souza18 de abril de 2012 13:59

    Sou estudante de Direito da UCB,e admiro o trabalho de Milton Santos, advogado, meu futuro colega, é uma preciosidade da inteligência humana. Vejo que as mulheres são o elo de ligação de sua pesquisa para o mundo acadêmico. Maria Adélia de Souza, Maria Auxiliadora, e centenas de outras mulheres vêm provar que possuem uma intuição e inteligência aguçadas, de valorizar a contribuição de valores individuais que ligam o coletivo, como disse Jesus Cristo a Pilatos : Que nenhum poder existe se de Deus não for dado. Mas Milton, na sua guerrida dedicação na pesquisa, exercitando a intuição, estão agregadas à sua obra essas valorosas centenas de mulheres fazendo com que a ECO Rio +20, mais as Nações Unidas e os demais governos da Terra têm o indicativo que agrega a possibilidade dos talentos para cuidar, valorizar, edificar, um projeto de humanidade, e quero fazer parte disso. Como cidadã, pretendo influenciar todas as pessoas que puder, pois é de fundamental importância a discussão nesse sentido, pois necessitamos de políticas públicas de incentivo e fiscalização às ações em relação ao meio ambiente. Reuniões como ocorreram ontem, no Itamaraty, com cinquenta e cinco representantes dos governos mundiais, e que propõe mudanças em relação a transparência no governo, consequências advindas da obra mencionada.

    ResponderExcluir
  22. E bom ver que a sustentabilidade é antes de tudo um projeto para garantir a igualdade entre os homens. No processo de garantir sustentabilidade é preciso garantir acesso a todos aos bens e serviços básicos. Quando os governos conseguirem isso será verdadeiramtente um mundo que o Milton descreve como possível e que tanto ensinou os geógrafos a descreverem e pensarem.

    ResponderExcluir
  23. Eu te exaltarei, ó Deus, rei meu, e bendirei o teu nome pelos séculos dos séculos e para sempre.
    Cada dia te bendirei, e louvarei o teu nome pelos séculos dos séculos e para sempre.
    Grande é o Senhor, e muito digno de louvor, e a sua grandeza inescrutável.
    Uma geração louvará as tuas obras à outra geração, e anunciarão as tuas proezas.
    Falarei da magnificência gloriosa da tua majestade e das tuas obras maravilhosas.
    E se falará da força dos teus feitos terríveis; e contarei a tua grandeza.
    Proferirão abundantemente a memória da tua grande bondade, e cantarão a tua justiça.
    Piedoso e benigno é o Senhor, sofredor e de grande misericórdia.
    O Senhor é bom para todos, e as suas misericórdias são sobre todas as suas obras.
    ¶ Todas as tuas obras te louvarão, ó Senhor, e os teus santos te bendirão.
    Falarão da glória do teu reino, e relatarão o teu poder,
    Para fazer saber aos filhos dos homens as tuas proezas e a glória da magnificência do teu reino.
    O teu reino é um reino eterno; o teu domínio dura em todas as gerações.
    O Senhor sustenta a todos os que caem, e levanta a todos os abatidos.
    Os olhos de todos esperam em ti, e lhes dás o seu mantimento a seu tempo.
    Abres a tua mão, e fartas os desejos de todos os viventes.
    Justo é o Senhor em todos os seus caminhos, e santo em todas as suas obras.
    Perto está o Senhor de todos os que o invocam, de todos os que o invocam em verdade.
    Ele cumprirá o desejo dos que o temem; ouvirá o seu clamor, e os salvará.
    O Senhor guarda a todos os que o amam; mas todos os ímpios serão destruídos.
    A minha boca falará o louvor do Senhor, e toda a carne louvará o seu santo nome pelos séculos dos séculos e para sempre.

    Salmos 145:1-21

    ResponderExcluir