quarta-feira, 13 de agosto de 2014

               
 O acidente de avião em Santos –SP tira o vitorioso candidato a presidência da republica Eduardo Campos. Morre o homem, as ideias ficam. Ficam as nossas condolências a Senhora Renata e aos seus cinco filhos do blog o negronobrasil1980.blogspot.com .


 A decisão acima do Juíz Dr. Fábio Marx Saramago Pinheiro, foi criticada por senhor Evilasio Cunha no dia 16/08/2014 na fazenda Tapera na casa da Sra. Pedrita, levando dois policias armados do destacado no municio de Santa Rita de Cássia, para amendontrar os moradores da fazenda Tapera, incitando os ribeirinhos, contra a decisão judicial. Segundo eles essa decisão não era valida, o que significa apoio do Evilasio ao grileiros Sigmar Rossi, Reginaldo, Janio Bonfim Borges e Luis Felipe Nascimento Rosas. Causaram medo e pavor aos moradores da fazenda Tapera e o Evilasio com praticas racistas contra o advogado Pedro Nogueira, por ser negro. O que mais causa espanto é que todos os moradores dessa fazenda são negros. O que faz crer que há apoio do Governador Jaques Wagner, racista e facista para desarticular a população pobre, negra e ribeirinha, também subentende que o Governo Dilma e Lula, vem apoiando o setor do Agronegocio contra essas populações, haja vista o aumento nos últimos 6 anos de 132% de assassinato da população negra de 10 a 29 anos, pesquisa feita no Governo Dilma. Como a população negra vai votar na Dilma e seus candidatos, essa é uma indagação que deixamos aos eleitores do Brasil.
Abaixo pedaço do artigo do jornalista Fernando Conceição, professor da UFBA:

Marina Silva, o PT tem medo do voto dos negros sem cangalha – que é seu!
sábado
set 2014

De empregada doméstica a possível presidente de uma República que rejeita mulheres e negras desafiando a hegemonia branca

O Partido dos Trabalhadores sempre foi um partido racista, de hegemonia sacerdotal branca. A tentativa de execração pública da candidata Marina Silva (PSB-Rede) bem lembra o processo recente de demonização de Joaquim Barbosa.
Num e noutro caso, é preciso desumanizar o adversário, que se torna em inimigo. A ser levado ao pelourinho, como um escravo que ousa romper as correntes que o aprisionam.

O PT sempre foi racista. Agiu assim em todas as disputas ao longo da história pelo Brasil. Alceu Collares (PDT-RG), João Alves Filho (PFL-SE), Albuíno de Azeredo (PDT-ES), Celso Pitta (PP-SP), comeram o pão que o diabo amassou na mão dessa gente.

Cobrava-lhes, jacobinamente, posturas de retidão comportamental jamais praticadas pela própria cúpula petista. Contra Abdias Nascimento e Caó (PDT-RJ) não foi diferente. Ao PT deve ser dirigida a crítica mais contundente no momento. Vez que há 12 anos tem em mãos a responsabilidade e as benesses do poder, ao qual foi alçado condenando as práticas de “500 anos atrás”…


Izabel Oliveira Souza19 de setembro de 2014 17:17
Marina Silva, sou estudante de Engenharia Florestal da UnB, e nos alunos nós deparamos com algumas pesquisas sobre os biomas do Brasil. Sabemos que em sua formação desde criança até a fase adulta, foi vivida e convivida no bioma Amazônico, e graças a isso fluiu com uma linguagem do verbo para interagir com os vários biomas brasileiros e continentais. Para a compreensão de como utilizar essas riquezas de uma forma estratégica, aproveitando o nosso potencial criativo do talento realizador, no que o mundo acadêmico qualifica de gestor. Eu e meus colegas da UnB, nas nossa conversas informais, sentimos que as autoridades que ascendem ao poder, ficam numa redoma de proteção que não busca a contribuição do potencial jovem e das novas descobertas que poderiam trazer revelações para a política inovadora do planeta. Em nossa idade ainda acreditamos fortemente que podemos fazer a diferença e temos muita vontade de gerar mudanças positivas na política de governo e de estado, integrando a nação. Isso é o caminhar e o navegar contínuo. Essa foto sua de uma menina de 15 anos restabelece um elo de identificação com a juventude. Gostaria de lembrar que a médica, senadora Laelia de Alcântara, foi a primeira médica a serviço do Acre amazônico a serviço da medicina preventiva. O Brasil se sente gratificado em ter uma seringueira e negra a disputar o cargo da presidência do Brasil.

Parabéns a estudante de engenharia Izabel. Pelo artigo que ela escreve sobre o bioma brasileiro.
O PSB Nacional, reuniu ontem uma nova executiva nacional elegendo Carlos Siqueira como presidente nacional do partido. No entanto no dia que a Marina Silva foi indicada a candidatura a presidência da republica pelo PSB em substituição ao saudoso estadistas Eduardo Campos, Carlos Siqueira teve um ataque racista contra a candidatura da Marina Silva, que expressava a candidatura negra e indigna do pais. O partido que elege-o Carlos Siqueira, tem que pedir desculpa ao pais pela não observância que um partido politico tem que ter uma visão de estado, de governo, de nação e uma consciência de um estadista. Carlos Siqueira é um homem que sempre tratou da questiuncula pessoal no partido, violando a cidadania e os direitos fundamentas das pessoas humanas, em especial dos negro e da população indigna. Queremos um partido com a visão de Eduardo Campos, Dona Renata, seus cinco filhos e em especial o Miguelzinho que representa a família brasileira.

22 comentários:

  1. O PSB precisa da convivência harmônica, feliz, cheia de amor da família Campos. Como mensagem para a família brasileira. Representado pelo Miguelzinho como dizia Milton Santos "de amor a vida e vivifica-la"

    ResponderExcluir
  2. Brasileiros, sinta-se honrados por interagir com a família Campos, por essa criança feliz, Miguel.

    ResponderExcluir
  3. A candidata à presidência da republica pelo PSB, Marina Silva é uma afrodescendente virtualmente, e poderá ser eleita no primeiro turno se a população negra e seus descendentes e indígenas compreenderem a importância da sua eleição. O massacre sofrido pela sociedade racistoide e facistoide a população negra brasileira conforme pesquisa do governo Dilma, sobre os dois períodos do governo do PT, houve um aumento de 132% de assassinatos pelo estado, de jovens negros de 10 a 29 anos. O ataque racista que atingiu o ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Ministro Joaquim Barbosa, foi silenciado pela sociedade racista no legislativo, judiciário, executivo e na mídia brasileira, para tanto não pôde permanecer como ministro do Supremo e foi necessário se aposentar. Nem uma voz de seus colegas ministros lhe deu apoio, ficou sozinho com a população brasileira. A nação se levantou de apoio a esse magistrado, que dignificou o poder judiciário. A diferença entre os EUA e o Brasil é que quando a policia assassina um jovem negro, a população afrodescendente para aquela cidade ou estado gera uma repercussão mundial, já aqui se mata negros todos os dias, porem, nenhuma voz se levanta em defesa da vida, já que é um ser humano que esta sendo assassinado. Nos população negra devemos ter a sensibilidade no processo de cidadania política, na universalidade do voto na urna, um homem um voto, que podemos eleger o cargo de presidente da republica, Marina Silva. Se a população brasileira, segundo se estima os cientistas sociais, mais de 70% do Brasil é afrodescendente e indígena, juntos votaremos em Marina Silva.

    ResponderExcluir
  4. Minhas condolências a Dona Renata e seus filhos, pelo exemplo dado a este País, ao mostrar a sua família como um modelo de União. O seu Marido sempre será lembrado como uma pessoa iluminada por Deus, e que sempre será lembrado!
    Fique com o Criador Eterno, porque a sua Família é um símbolo de Deus, criador e mantenedor de tudo o que há de bom.

    ResponderExcluir
  5. Hoje, dia 30 de agosto, fui notificado sobre a importância da obrigatoriedade do voto, para que possamos reverter a situação do afrodescendente em que se encontra nos poderes legislativo, executivo e judiciário, com a importância de trazer sua inclusão e respeito em todos os poderes para que, desse modo, tenhamos uma sociedade mais digna e democrática.
    Um abraço para o Waldimiro de Souza.
    De Rafael Monteiro.

    ResponderExcluir
  6. O Brasil despertou sua consciência política nas eleições de 2014, votando em Marina Silva.

    ResponderExcluir
  7. Concordo com a Priscila! Estamos cansados dessa bagunçando nossa pátria! Vamos dar uma renovada, votando nessa pessoa de bem, que ao meu ver quer mudança

    ResponderExcluir
  8. Para reflexão:


    O Analfabeto Político
    O pior analfabeto é o analfabeto político. Ele não ouve, não fala, nem participa dos acontecimentos políticos. Ele não sabe o custo de vida, o preço do feijão, do peixe, da farinha, do aluguel, do sapato e do remédio dependem das decisões políticas.
    O analfabeto político é tão burro que se orgulha e estufa o peito dizendo que odeia a política. Não sabe o imbecil que, da sua ignorância política, nasce a prostituta, o menor abandonado, e o pior de todos os bandidos, que é o político vigarista, pilantra, corrupto e lacaio das empresas nacionais e multinacionais.

    ResponderExcluir
  9. Milena Coelho - estudante da UnB3 de setembro de 2014 14:56

    O ministro Joaquim Barbosa, ao deixar o cargo para se aposentar deu exemplo ao desapego do poder. O seu silêncio provocou a população brasileira afrodescendente dar o apoio a candidata também afrodescendente Marina Silva. Todos juntos votando no dia 05 de outubro somoS mais forte, com alertava Milton Santos " Amor à vida e vivifica-la"

    ResponderExcluir
  10. Nos os adolescentes de 10 a 18 anos estamos acompanhando sem preocupar com a inovação da pratica da gestão a maioria dos discursos e da pratica da vaidade o dinheiro gasto pelos impostos pago pelos nossos pais vai pro ralo da burrice humana, vcs não são pais e ma~es nois somos uma geração inteligente.

    Vinicius

    Alub

    ResponderExcluir
  11. Brasil está vivendo um momento palpitante, numa disputa politica presidencial com uma possibilidade de se eleger no cargo de presidente de eleger uma sirigueira e negra para resgatar a história brasileira. Marina Silva está valorizando a cidadania politica brasileira seguindo os conhecimentos de Milton Santos de valorizar a vida numa frase, "Dê Amor a vida, e vivifica-la"

    Kamylla
    Unieuro

    ResponderExcluir
  12. Aos meus 16 anos, escrevo no processo eleitoral de cidadania de 2014. A maioria dos candidatos políticos são analfabetos políticos. Já dizia alguém a 110 anos atrás: "qual é a mulher e o homem perigoso? O analfabeto político". Marina inova na politica trazendo harmonia, confiança e esperança para a população jovem brasileira. Trilhando os caminho de Milton Santos, Irmã Dulce, Josué de Castro e Chico Mendes, como também a visão desenvolventista de JK.
    Colégio Marista de Brasília E.M.
    Gabriel Magalhães Costa Rodrigues

    ResponderExcluir
  13. José AFonso Jácomo do Couto8 de setembro de 2014 19:16

    Este tem sido um meio de comunicação muito importante para denunciar, avaliar e apresentar alternativas para problemas graves e seculares que o nosso país ainda convive, principalmente quanto às desigualdades sociais. Só quem anda pelo interior do Centro Oeste, Norte e Nordeste sabe o que estou falando. Não adianta fechar os olhos para essa realidade dura, porque um dia ela será cobrada a conta.
    José AFonso Jácomo do Couto.

    ResponderExcluir
  14. Pedro Figueiro de Souza9 de setembro de 2014 14:41

    Lendo os comentários nesse blog, me despertou, me fez lembrar quando eu era jovem. Não tinha noção da politica, dos cargos políticos e a definição de gestão. Essa população jovem faz nascer uma nova esperança do cuidado planeta, da sua casa, da sua rua, do seu bairro, da sua cidade e seu pais, como também cuidar das nascentes, dos riachos, afluentes, rios, praia e mar. As pessoas que conquistam cargos publico e políticos, tem essa oferta de conhecimento de graça dessa população. Ponham os ouvidos para ouvir, os olhos para ver e a boca para falar. Não ficar preso em um gabinete como um escola de serviçal, olhando para um computador sem intender essas gerações talentosas do pais e da humanidade. Jovens! Sou admirador do taleto de vocês !

    Pedro Figueiro de Souza. Belo Horizonte - MG

    ResponderExcluir
  15. Desprezar a população nativa ribeirinha é um genocídio que extermina não só um povo, mas só enriquece a cultura racista e empobrece a nossa Brasilidade, a nossa identidade cultural, política e civilizatória do nosso Brasil e especialmente do Nosso Nordeste e da Querida Bahia berço da nossa Brasilidade, atravessada pelo Velho Chico Ramal de Integração Nacional e de Humanização do interior de Nosso País, Haja vista a primeira Usina Hidrelétrica instalada aqui, foi às margens do mesmo grande rio, idealizada pelo "Mauá Nordestino:" o visionário Delmiro Gouveia, que foi um dos primeiros a incentivar a inclusão social à população ribeirinha de maioria negra às margens do Rio São Francisco na altura do Estado de Alagoas, quando o então empresário construiu uma vila operária, que muito contribuiu para a inclusão daquele povo esquecido, Mas agora o que se vê em Santa Rita de Cássia e Mansidão, na Bahia é uma prática racista que exclui ao invés de incluir, é a apoteose do atraso enraizado na cultura colonizadora ibérica. (Fábio Medeiros, ex- Radialista da Rádio Panatis àos 16 anos de Idade, Patos-PB)

    ResponderExcluir
  16. Dara Alencar, estudande da UnB.12 de setembro de 2014 14:15

    Política é o aprendizado permanente da nação, do estado e do país. No processo da disputa eleitoral a justificativa dos candidatos deixa transparecer que atinge climax da vaidade das pessoas, porque ela quer poder e poder sem limite. É o que nos transparece nos discursos ou propostas dos candidatos, chega a ser uma coisa irracional. Na quimica do pensamento, o pensar é uma conquista de nos humanos. Esses discursos apresentados na TV tem um indicativo de coisa mecânica, fria, triste, arrogante, princípio de dominação de uma pessoa sobre outra. Eu como jovem estou indagando os cientistas políticos e as universidades: qual é o melhor caminho para se chegar ao poder? Estou ansiosa para conhecer e obter essa lógica do poder.

    ResponderExcluir
  17. waldimiro souza jornalista fernando conceição da Bahia16 de setembro de 2014 15:57

    Marina Silva, o PT tem medo do voto dos negros sem cangalha – que é seu!

    13 sábado set 2014

    Posted by fc in Jornalismo Político

    ≈ 10 Comentários
    De empregada doméstica a possível presidente de uma República que rejeita mulheres e negras desafiando a hegemonia branca

    De empregada doméstica a possível presidente de uma República que rejeita mulheres e negras desafiando a hegemonia branca

    O Partido dos Trabalhadores sempre foi um partido racista, de hegemonia sacerdotal branca. A tentativa de execração pública da candidata Marina Silva (PSB-Rede) bem lembra o processo recente de demonização de Joaquim Barbosa.

    Num e noutro caso, é preciso desumanizar o adversário, que se torna em inimigo. A ser levado ao pelourinho, como um escravo que ousa romper as correntes que o aprisionam.

    O PT sempre foi racista. Agiu assim em todas as disputas ao longo da história pelo Brasil. Alceu Collares (PDT-RG), João Alves Filho (PFL-SE), Albuíno de Azeredo (PDT-ES), Celso Pitta (PP-SP), comeram o pão que o diabo amassou na mão dessa gente.

    Cobrava-lhes, jacobinamente, posturas de retidão comportamental jamais praticadas pela própria cúpula petista. Contra Abdias Nascimento e Caó (PDT-RJ) não foi diferente. Ao PT deve ser dirigida a crítica mais contundente no momento. Vez que há 12 anos tem em mãos a responsabilidade e as benesses do poder, ao qual foi alçado condenando as práticas de “500 anos atrás”…

    Nos seus mais de 30 anos de existência, o PT gestou algum quadro de relevância nacional ou internacional? Alguém sabe dizer se esse partido proporcionou, nas disputas eleitorais a cargos relevantes, a possibilidade e viabilidade de candidaturas negras ao senado, aos governos de Estados, a prefeituras de capitais? Admita-se: o PT não veta entre os seus dirigentes ou estrelas um negro ou uma negra que fale de voz própria. Finge não ver

    Esse partido todo o tempo trabalha contra a emancipação negra. A menos que essa venha como um favor, como uma migalha materializada na instrumentalização e distribuição de funções e cargos de escalões inferiores. Ou em bolsas assistenciais, que de emergenciais se tornaram permanentes, como a única política de governo de “inclusão social”.

    Na Bahia, o movimento negro organizado – ressalte-se: organizado – promoveu em meados dos anos 80 um que seria nosso primeiro contato direto com o então Lula temor dos Collors, dos Malufs, dos Sarneys, dos carlistas, dos Renans, dos Robertos Marinhos. Isto é, temor dos que hoje chama de “companheiros” e pede votos. Dependências do Teatro Miguel Santana, no centro histórico de Salvador. Casa cheia. Lá estava este escrevinhador.

    ResponderExcluir
  18. Continua artigo Fernando Conceição16 de setembro de 2014 15:59

    uando me deram chance, indaguei se ele se considerava afrodescendente. Para constrangimento de alguns, o principal líder partidário rejeitou de forma tão violenta tal conexão, que parecia que eu o chamei de leproso. Negro, eu?! Descendente de negro, eu?! Lula nunca leu Gilberto Freyre. É um ignorante na questão racial de pai e mãe.
    Dois velhacos, de países majoritariamente afrodescendentes: negros, nós?!

    Dois velhacos, de países majoritariamente afrodescendentes: Negros, nós?!

    O histórico do PT o condena como racista e sacerdotal. Talvez o fato de a Bahia ter a maior concentração de negros no Brasil fez com que já em 1981 a questão racial viesse a público, por iniciativa de um dos seus quadros atuantes, Ivan Ribeiro de Carvalho, dentro de um partido que se nomina “dos trabalhadores”.

    Que desde já fique claro: o PT não é “dos trabalhadores”, mas dos trabalhadores sindicalizados, partícipes de guildas ou organizações. De maçonarias. O trabalhador negro na história do país que mais importou mão de obra escravizada sempre foi um semi-empregado, um subcidadão. Como tal, no conjunto também está alijado daquelas instâncias organizativas das classes dominantes de mando.

    Em consequência a discussão sobre a necessidade de o PT abraçar a causa dos negros no Brasil foi violentamente repudiada de início. Ivan Carvalho, por ousar – criando uma campanha intitulada PreTos82 – foi o tempo todo desqualificado como um doidivanas. E muitos dos negros filiados ao partido desde lá atrás fizeram, como ainda hoje o fazem, papel de capataz. Isto é, aquele ao qual o nhonhô entrega o chicote para a tarefa de supliciar seus iguais.

    Lula e os condenados mensaleiros José Dirceu, Genoíno et caterva, ou seja, os senhores de mando da instituição, jamais levaram a sério a questão do reflexo da estrutura do escravismo colonial na condição subalterna dos afrobrasileiros. Nem eles nem seus intelectuais orgânicos, Marilena Chauí e Francisco Weffort inclusos.
    Intelectual orgânica do PT, Marilena Chauí na USP jamais favoreceu o debate sobre cotas, assim como seu partido

    Intelectual orgânica do PT, Marilena Chauí na USP jamais favoreceu o debate sobre cotas, assim como seu partido

    Essa gente sempre combateu a promoção da igualdade étnico-racial. De meados da década de 90 em diante, enquanto Fernando Henrique Cardoso na presidência da República favorecia o debate sobre cotas em instituições públicas – foi quem primeiro criou uma política de cotas para candidaturas no Itamaraty e no Ministério da Reforma Agrária -, a cúpula do PT resistia à ideia. A cúpula e sua base marionete.

    Foi uma carlista, reitora da Universidade do Estado da Bahia(Uneb), quem primeiro determinou a implantação do sistema de cotas numa universidade pública brasileira, em 2002. Ao lado da lei aprovada pela Assembléia Legislativa não-petista do Rio para que o mesmo se desse na Uerj. A turma petralha somente aderiu a esse ideário depois que o mesmo se tornou uma realidade irreversível, graças à luta social não-petista.

    Enfrentei um debate com José Genoíno no nascedouro das ações afirmativas e vi sua reação apoplética contrária. E sei, por assessor dele quando na Câmara Federal, de pelo menos um dos intelectuais orgânicos fundadores do PT, o sociólogo Florestan Fernandes (1920-1995), autor de obra clássica sobre o tema – A integração do negro na sociedade de classes -, o quanto a sua elite mandatária repele o tema.

    O PT sempre foi racista e sacerdotal, igrejeiro. Digo sempre porque sua estrutura interna, diretórios e demais instâncias burocráticas, sempre foram controlados por representantes dos estratos sociais das elites dominantes. Que se consideram brancas no Brasil. Embora “dissidentes” de seu próprio estrato social, não se dissociaram jamais dele – mesmo porque seus laços aristocráticos e sobrenomes são permanentes.

    ResponderExcluir
  19. Continuação Fernando Conceição - Jornalista da Bahia16 de setembro de 2014 16:00

    Sacerdotal porque foi junto a padres, bispos e pastores da chamada “teologia da libertação” da Igreja Católica e de igrejas confessionais atuantes nas periferias, sindicatos e comunidades eclesiais de base, que obteve seu sustentáculo inicial. Jamais buscou entender, de fato, a complexidade do racismo como estruturante na manutenção do status quo social brasileiro.

    Advém daí a incapacidade petista de promover lideranças negras para postos de comando, mesmo internos. Incapacidade, resistência e rejeição. Sua primeira grande estrela na Bahia à época de fundação (1980/81) era a mais importante liderança sindical, um negro de nome também Bahia.

    O que aconteceu a Nilson Bahia, maioral do Sindiquímica, primeiro presidente da Central Única dos Trabalhadores? Quando pretendeu vôos mais altos na estrutura partidária e disputas eleitorais a cargos de mando no Estado, amargou na pele, como todas e quaisquer lideranças negras – você leu corretamente: todas – a máquina de moer gente petista.
    Outrora a maior liderança do PT no Estado, Nilson Bahia foi sangrado para que Jacques Wagner se tornasse governador

    Outrora a maior liderança do PT no Estado (1980-1982), Nilson Bahia foi sangrado para que Jacques Wagner se tornasse dirigente do Sindiquímica e um dia governador

    Nilson Bahia foi apagado da história do PT, num processo usual da pseudo-esquerda stalinista. E – bingo! – um dos seus auxiliares no sindicato, Jacques Wagner, de ascendência judia, tornou-se governador do Estado, enriqueceu-se e quer eleger um dos cupinchas fiéis. A negros ou negras jamais serão dadas condições equivalentes de disputas e oportunidades.

    Esse modus operandi do PT se repete em todo o país. Negro bom é negro subalternizado, carregando faixas e quebrando facas em nome dos seus senhores.
    Comandante do marketing lulo-dilmista, o baiano João Santana utiliza métodos de propaganda já ensinados por Joseph Goebbels, homem-forte da campanha nazista

    Comandante do marketing lulo-dilmista, o baiano João Santana utiliza métodos de propaganda já ensinados por Joseph Goebbels, homem-forte da publicidade nazista

    Por consequência, é preciso que o marketing da campanha petista, comandado por ninguém menos que um ex-garoto de recados mobilize a militância fanática e dependente. João Santana Filho cresceu com Duda Mendonça e o ex-prefeito, da mesma etnia de Jacques Wagner, que à frente de Salvador foi denunciado na Justiça como um ludibria naturae (ludibriador da natureza das coisas). Por conta de rombo estratosférico e até o presente não ressarcido aos cofres públicos. Como Hitler ou Mussolini fazia com as suas tropas SS e boinas azuis – para exterminar moralmente a adversária, o marketing petista bombardeia Marina, por esta agora ameaçar o bem-bão no qual essa turma se locupleta nos últimos 12 anos.

    A propósito de artigo publicado pela BBC/Brasil e repercutido nas redes sociais, divirjo das fontes ali consultadas como representantes de afrodescendentes. E as convido à reflexão desapaixonada. Nessa fase final de campanha a grande massa de ativistas negros não agrilhoada pelos partidos políticos da base governista no Brasil, é livre.

    Desacorrentada material e mentalmente, a liderança social, intelectual e popular independente pode considerar sem temor o momento histórico que vivenciamos. Ora, se é um fato de ruptura Barack Obama eleito presidente dos Estados Unidos da América racista, o ineditismo da eleição, com o nosso voto, de Marina Silva, terá repercussões profundas em nossa trajetória contra o racismo pátrio.

    ResponderExcluir
  20. Continuação Fernando Conceição - Jornalista da Bahia16 de setembro de 2014 16:01

    É preciso repudiar o medo que instilam contra Marina, assim como fizeram contra o PT nos seus primórdios. Votar e eleger presidente da 8ª mais importante economia do planeta uma negra. Negra e mulher – isso soa como uma revolução!

    É uma oportunidade que, em sã consciência, não deveríamos negligenciar.

    A negra Marina Silva jamais deveria ter ousado sair da cozinha da madame como empregada doméstica. Deveria dar-se por satisfeita de ter chegado a ministra de Lula. Deve ser agora eliminada pelo exército destruidor de reputações.

    Não apenas subalternizado. Para o PT prevalece a máxima: negro bom é negro deprimido, louco. Ou melhor – e a violência endêmica que engolfa a Bahia é prova inconteste -, negro bom é negro morto. Basta! Chega! Fora! Como diria Caetano Veloso, é preciso mandar os malditos embora.

    ResponderExcluir
  21. Izabel Oliveira Souza19 de setembro de 2014 17:17

    Marina Silva, sou estudante de Engenharia Florestal da UnB, e nos alunos nós deparamos com algumas pesquisas sobre os biomas do Brasil. Sabemos que em sua formação desde criança até a fase adulta, foi vivida e convivida no bioma Amazônico, e graças a isso fluiu com uma linguagem do verbo para interagir com os vários biomas brasileiros e continentais. Para a compreensão de como utilizar essas riquezas de uma forma estratégica, aproveitando o nosso potencial criativo do talento realizador, no que o mundo acadêmico qualifica de gestor. Eu e meus colegas da UnB, nas nossa conversas informais, sentimos que as autoridades que ascendem ao poder, ficam numa redoma de proteção que não busca a contribuição do potencial jovem e das novas descobertas que poderiam trazer revelações para a política inovadora do planeta. Em nossa idade ainda acreditamos fortemente que podemos fazer a diferença e temos muita vontade de gerar mudanças positivas na política de governo e de estado, integrando a nação. Isso é o caminhar e o navegar contínuo. Essa foto sua de uma menina de 15 anos restabelece um elo de identificação com a juventude. Gostaria de lembrar que a médica, senadora Laelia de Alcântara, foi a primeira médica a serviço do Acre amazônico a serviço da medicina preventiva. O Brasil se sente gratificado em ter uma seringueira e negra a disputar o cargo da presidência do Brasil.

    ResponderExcluir